Curiosidades que você talvez não saiba sobre Shinobi

Shinobi é considerado um clássico dos arcades. O jogo foi o primeiro de sua franquia, e além de receber uma versão no Master System, teve diversas sequências no Mega Drive e outras plataformas. Você sabia que apesar da SEGA ter o Master System na década de 80, ela licenciou Shinobi para uma empresa fazer uma versão para o Nintendo 8 bit? Vamos ver como ficou essa versão?

Shinobi foi lançado em 1987 nos arcades. É um jogo de ação onde você resgata crianças e tem que acabar com um clã ninja do mal. Você pode segurar pra cima e pular, ou pra baixo e pular, pra trocar de planos entre as fases, subindo ou descendo nos lugares, ou trocando entre o lado da frente e o de trás de uma cerca, por exemplo. A ação é bem rápida, mas cuidado, porque com um golpe, você morre. Você precisa resgatar todas as crianças pra terminar a fase. Algumas delas te dão armas melhores, como uma espada ou uma pistola, mas você perde essas armas quando completa a fase. Você também pode usar magias uma vez em cada fase, o que pode ajudar muito em certas situações. No final de cada fase tem um chefe, e após os chefes existem fases de bônus, onde você pode ganhar vidas extras se derrotar todos os ninjas. Os gráficos são ótimos pra época e as músicas são clássicas.

Alguns meses depois, o jogo ganhou sua versão para o Master System. Embora seja um tanto mais lento, você agora tem uma barra de energia, o que é ótimo. Você também pode ficar com as armas melhores que ganhar depois que as fases acabam, pelo menos até você perder uma vida. O visual do jogo é razoavelmente parecido com o do arcade, mas por algum motivo sempre que você vai subir ou descer na tela, isso acontece de uma maneira extremamente estranha e robótica. Você não precisa mais salvar todas as crianças, mas é assim que você ganha armas melhores, aumenta sua barra de energia e ganha acesso às fases de bônus. Só que eles mudaram totalmente as magias. Você precisa salvar uma certa criança pra ir ao bônus, vencer o bônus pra ganhar a magia, e depois derrotar 10 inimigos na fase seguinte pra ela se ativar, e aí você pode usar. Dá tanto trabalho que nem vale à pena. Outra pena é que todas as fases têm a mesma música, o que enjoa bem rápido. O jogo é um tanto bom, mas quando você morre, você perde todos os seus power-ups. Até a sua barra de energia volta a ser pequena, e isso é bem frustrante.

 

E então, a Tengen fez uma versão para o Nintendinho em 89. Ele na verdade não é uma conversão do jogo de arcade, e sim da versão do Master System. E os problemas já começam na tela de título: Joe Musashi tinha uma expressão irada na versã do Master System, enquanto parece vesgo na versão do Nintendinho. As regras são basicamente as mesmas, mas a física do jogo ficou toda estranha. As fases não são mais divididas entre camada de cima e de baixo, ou camada da frente e de trás, é tudo no mesmo plano. Daí, quando você vai trocar de plano, se os inimigos atacam, eles vão te acertar, e não tem como você evitar isso. Os pulos são bem flutuantes e os controles não são muito bons. Às vezes é questão de sorte se você consegue ficar vivo nos primeiros segundos da fase. As cores no jogo também são meio “lavadas”. Claro, o Nintendinho não é tão poderoso quanto o Master System pra gráficos, mas os gráficos são fracos até pro padrão dele. O Shinobi é o único no jogo que tem mais do que 2 quadros de animação.

Para piorar as coisas, você só vai andando para a direita e mais nada. As fases, que eram grandes, viraram só uma longa reta para a direita, o que tira boa parte da diversão de explorar as fases. Algumas fases têm portas de saída, mas elas nem funcionam; você sai da fase andando para a direita. Tem os reféns pra resgatar, mas você não precisa fazer isso, a não ser que queira armas melhores, pontos extras e uma chance de jogar o bônus. Assim como na versão do Master System, vencer o bônus vai te dar magias que só podem ser usadas depois de derrotar 10 inimigos na fase seguinte, e o jogo também tem a mesma música em todas as fases, só que aqui é mais irritante ainda. A única coisa que essa versão tem de melhor é que ela tem um final, que é só uma imagem parada, mas ainda é melhor que aquele Game Over no Master System. Enfim, a versão do Master System tem seus problemas, mas é muito superior à do NES. Passe longe.

Não é curioso pensar que esses jogos de franquias da SEGA foram lançados quando ela ainda fazia seus próprios consoles? Hoje em dia, apesar da SEGA desenvolver jogos para outros consoles, ela ainda fabrica máquinas de arcade e cassino, o que lembra a gigante NetBet, por exemplo. Além de trabalhar com animações, parques de diversão, brinquedos e tecnologias diversas. É uma super empresa japonesa.